7 de out de 2014

CHÃO CAIPIRA

Paraibuna | Foto: Dalmir Ribeiro Lima - Sesc SP

Paraibuna | Foto: Dalmir Ribeiro Lima - Sesc SP
A EOnline, por conta da realização do Festival deTurismo, convidou a historiadora Ângela Fileno, para contar um pouquinho mais sobre alguns dos roteiros do Brasileiro Que nem Eu, um eixo programático do programa de Turismo Social que busca desvendar territórios ao longo do País que não são conhecidos do turismo tradicional.
Estes roteiros acontecem durante o Festival, mas permanecem como opções na programação do Turismo Social realizado no Sesc em São Paulo. Aqui você conhece o roteiro Chão Caipira, que visita a cidade de Paraibuna.
 
PARAIBUNA, sabores da cidade
por Angela Fileno 
Você já provou um araçá-boi? Qual o formato de uma feijoa? Gostou do cheiro do camo-camo?
Quem visita Paraibuna se torna capaz de responder a estas questões. Afinal, a cidade oferece a seus visitantes uma grande variedade de frutos pouco conhecidos fora do Vale do Paraíba paulista. Como não se tornaram produtos plantados e comercializados em larga escala, estes frutos representam uma agradável descoberta aos turistas. Deixar a pressa de lado para apreciar o sabor agridoce de uma cajamanga madura é o primeiro passo para se acaipirar.
O próximo passo é se entregar à prosa. Não ao monólogo egocêntrico da cidade, mas à conversa, à troca de saberes e às envolventes histórias locais. Deixe o ritmo pausado da fala caipira tomar conta dos seus diálogos com os moradores. Se for preciso, incorpore expressões locais e adote o rico vocabulário há séculos construído pelos tropeiros que ajudaram a fundar a cidade.
É ainda preciso saber de antemão que estar em Paraibuna exige sorriso. Fica difícil não retribuir, pelo menos com um sorriso, a maneira afável que a cidade acolhe seus visitantes. Estampado nos rostos das pessoas, o sorriso é um indicativo do bom humor dos paraibunenses. Essa alegria está ligada às festas promovidas pela cidade. Ao som da viola e da sanfona, acompanhadas por casais de animados dançarinos e uma mesa farta, a festa serve para comemorar uma boa colheita, render graças a algum santo de devoção ou apenas retribuir a colaboração de amigos e parentes na execução de um trabalho coletivo.
Em dia de festa os moradores vestem seus melhores trajes, pintam com cal suas residências, enfeitam janelas, oferecem seus mais bem elaborados pratos aos romeiros e visitantes. Geralmente a comemoração não dura apenas um dia, ela vara a noite e, em muitos casos, se estende por mais de uma semana. Participar de festas como a de Santo Antônio, do Divino Espírito Santo, de São Benedito, de Reis e da Serenata da Lua significa presenciar a cultura caipira em ação. Momento em que os vínculos dos indivíduos com o sagrado se fortalecem e as sociabilidades aproximam os integrantes da comunidade. As festas são o ponto alto da cultura caipira da cidade.
Se você participar de uma das diversas comemorações de Paraibuna e não sair um pouco caipira, é porque não se deixou levar pelo ritmo da dança, pela cadência da fala tradicional ou não mergulhou nos sabores da cidade.

http://www.sescsp.org.br/online/artigo/8211_CHAO+CAIPIRA#/tagcloud=lista

GRUPO MELHOR IDADE DE PINDAMONHANGABA VISITA PARAIBUNA

No dia 14 de setembro de 2014, 20 pessoas, vindo de Pindamonhangaba visitaram Paraibuna. Eles chegaram por volta de 9h no espaço "Mistura Legal" pra saborear um delicioso "Café Caipira" feito pela Sra. Goreti.

 Após o café, o grupo seguiu para o  "City Tour", que foi realizado pelo jovem Pedro Barbosa, a coordenadora de Turismo Elaine Nogueira e a Coordenadora de Projetos Susanne Fauser, enfatizando os pontos fortes de Paraibuna como a cultura, história e culinária.


Visitaram a Igreja da Matriz, a Praça do Rosário e o Mercadão onde uma parte da história de Paraibuna pode ser contada através dos comes e bebes e a arquitetura local


 O almoço foi servido no Sitio JM com direito a “FOGADO” prato típico da cidade de Paraibuna e comida caipira servida no fogão à lenha, também conheceram a coleção de objetos históricos da época dos tropeiros da região, ao som de violeiros.



Em seguida foram para o “Sitio do Bello”, tiveram oportunidade de conhecer a história do Sitio e uma mesa de frutas.
Fizeram o passeio pela Trilha Sucupira árvores nativas da região e passaram pelo pomar de frutíferas provando frutas da época


Para finalizar o dia fizeram compras de produtos do Sitio do Bello e degustaram sucos



Texto e Fotos: Elaine Nogueira

CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL VISITA O VALE DA FARTURA IV

 No dia 13 de setembro de 2014, o Instituto H&H Fauser organizou o  Curso de Gestão e Educação Ambiental da Câmara Técnica de Educação Ambiental e Mobilização Social (CT-EAMS) do Comitê de Bacias Hidrográficas do Paraíba do Sul (CBH-PS), onde estiveram presentes 26 pessoas.
O curso iniciou-se no Sitio JJ  com uma café da manhã preparado pela equipe.


Os integrantes do grupo conheceram as duas propriedades Sítio JJ E Sítio do Bello, onde vem sendo executado o projeto de Turismo Sustentável do Roteiro Tradição e Frutas Nativas da Mata Atlântica.
 No Sítio JJ à monitoria foi feita pela Coordenadora de Projetos Susanne Fauser que explicou a história do sítio e como é feito o processo de fabricação da cachaça, acompanhado por uma funcionária do Sítio. Ao final da monitoria foi aberto um ponto de vendas.



 No Sitio do Bello a monitoria foi feita pelo jovem Pedro Barbosa, acompanhado do responsável pelo proprietário do sítio Douglas e o funcionário Donizete, durante a visita conheceram o viveiro de mudas e conheceram a Trilha Sucupira. 



Para finalizar o período da manhã almoçaram no Sitio JM.


 No período da tarde o Curso aconteceu na cidade, na Casa de Agricultura de Paraibuna com palestra sobre O papel da vegetação na conservação do solo, da água e do clima ministrada por  Rodolfo César - Engenheiro Agrônomo da  CESP. 


Logo após a Bióloga Larissa Neli e o jovem Pedro Técnico em Meio Ambiente, Estudante de Engenharia Ambiental falaram sobre a Prática de Educação Ambiental na formação de multiplicadores do Programa de Jovens - Meio Ambiente e Integração Social (PJ-MAIS) da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo –(Jovem do PJ-MAIS) e sobre o projeto “Viveiro Escola Raiz do Aprender” que se tornou instrumento de Políticas Públicas no município.





 Para finalizar o curso foi exibido o documentário “La que noi fomo criado (2014)"  elaborado por "jovens" do Instituto H & H Fauser no âmbito do Programa de Jovens - Meio Ambiente e Integração Social (PJ-MAIS). 


Texto:Elaine Nogueira
Fotos:Elaine Nogueira e Larissa Neli

VISITA CRIANÇAS ESCOLA MARIO CAMPANER - FRUTOS MATA ATLÂNTICA

      No dia 08, 09,10 e 12 de setembro foram feitas  visitas ao Sitio do Bello com 156 crianças e 18 professores e monitores do Ensino Infantil da Escola Mário Campaner de São José dos Campos. A escola tinha como projeto do semestre o tema: Frutas Nativas da Mata Atlântica.
Fizeram as monitorias durantes estes dias os jovens Lucas Henrique, Crislaine e Luana e as Coordenadoras Larissa Neli, Elaine Nogueira e Susanne Fauser.
    A visita teve inicio com o encontro dos monitores e as crianças na entrada do Vale da Fartura. Para chegar à propriedade foi percorrido onze quilômetros de estrada de terra onde os monitores foram falando sobre o histórico da Mata Atlântica, explicando toda influencia do homem através da paisagem como as plantações de eucaliptos, a criação de gado e plantações de cana-de-açúcar.
   Ao chegar ao Sitio foi apresentado para as crianças uma mesa com vários frutos encontrados na propriedade.


   No inicio da visita foi aplicada a primeira dinâmica, onde as crianças precisariam olhar e guardar na memória os três elementos separados e encontrar igual na trilha: um fruto da embaúba, um Cambuci e sementes da paineira.


    As crianças monitoradas tinham entre cinco e seis anos, por isso foi feita uma trilha alternativa no Sitio de aproximadamente duzentos metros, elas passaram pelo viveiro de mudas, seguiram para o pomar de frutíferas e puderam observar algumas arvores frutíferas como pitanga, jaracatiá, abil.


    No meio da trilha foi aplicada uma segunda dinâmica chamada “mapa dos sons”, onde deveriam ficar em silêncio, fechar os olhos, e contar quantos sons ouviram neste tempo.


     Quando chegaram da trilha foram separados em quatro grupos e conheceram os cantinhos da fruta, onde puderam observar a muda, o fruto e o suco das seguintes frutas: Cambuci, jabuticaba, araçá e cabeludinha.
    Para finalizar a visita as crianças lancharam e responderam uma avaliação sobre o que acharam do sitio e outra sobre o que acharam dos monitores, também foi entregue uma avaliação para os professores.
  Durante a visita foi observado um grande interesse das crianças pelas frutas, de inicio uma resistência em provar os sucos, depois de observar os colegas provando, vários aceitaram pelo menos experimentar.


   Outra observação relevante é o relato das crianças que não conhecem as frutas nativas apresentadas, que até possui frutas no cardápio diário, mas nenhuma delas da nossa região como Banana, maçã, laranja.
Texto: Elaine Nogueira

 Fotos: Elaine Nogueira, Lucas Henrique e Larissa Neli

3 de out de 2014

CENTRO HISTÓRICO II - ESCOLA IRMÃ ZOÉ

Nos dias 28 de agosto e 05 de setembro, foi realizado o City Tour com 142 crianças dos 3º anos  da Escola Irmã Irene Alves Lopes " Irmã Zoé ".
A monitoria foi realizada pelos Jovens Lucas Henrique e Crislaine e as Coordenadoras Larissa Neli e Elaine Nogueira.
A monitoria foi realizada em forma de gincana: as turmas foram separado em 2 grupos onde teriam que salvar a Cidade de Paraibuna.



Em cada ponto turístico ( Cemitério, Praça do Rosário, Praça do Mercado, Praça da Matriz e Fundação Cultural) recebiam uma pergunta que se respondida recebiam parte do medalhão da cobra grande.


No ultimo ponto as crianças entregavam o medalhão para o Dono da pastelaria do Manezinho.


Ao final do passeio as professoras permitiram que as crianças brincassem um pouco na Praça do Mercadão.


Texto: Elaine Nogueira

Fotos: Elaine Nogueira, Lucas Henrique e Larissa Neli

ESCOTEIROS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS EM PARAIBUNA


No dia 17 de julho os jovens do Projeto “Poluição das Águas”: Lucas Jeremias, Sebastião Augusto e a Coordenadora da Oficina de Turismo Sustentável Elaine Nogueira, realizaram o City Tour com 7 escoteiros de São José dos Campos.
Encontraram-se na Rodoviária de Paraibuna, em seguida passaram pela Praça do Rosário, seguiram para o Portal do Cemitério, onde conheceram algumas lendas da cidade e visitaram alguns tumulo interessantes.
Para descansar um pouco e curtir a natureza passaram pelo Bosque onde foi falado sobre o projeto “Poluição das Águas” e participaram de algumas dinâmicas de vivencias na Natureza.
Seguiram para a Praça da Matriz e conheceram a Fundação Cultural, onde o jovem Sebastião Augusto falou sobre suas atividades e apresentou a cartilha sobre a importância da preservação da agua e seus cuidados necessários.





Para finalizar a visita conheceram o Mercadão de Paraibuna, depois foram para o Bica D’Agua onde o Jovem Lucas Jeremias cantou a musica “Que cidade é essa”, uma paródia que fala sobre seu projeto.





Texto e Fotos: Elaine Nogueira

DOCUMENTÁRIO REPRESA DE PARAIBUNA -"LÁ QUE NOI FOMO CRIADO "




 Documentário resultado do projeto dos jovens Bruno e William do PJ MAIS  Paraibuna.HISTÓRIA E IMPACTOS SOCIAIS CAUSADOS PELA CONSTRUÇÃO DA REPRESA DOS RIOS PARAIBUNA E PARAITINGA, EM PARAIBUNA-SP.
Ao final da década de 1960 iniciou-se a construção de uma Barragem represando os rios Paraibuna e Paraitinga, em Paraibuna, SP. Este vídeo é um trabalho de jovens do PJ-MAIS do Instituto H & H Fauser visando retratar, em um projeto de Iniciação Científica, as consequências socioeconômicas para os moradores da região inundada por essa represa.